CAPTIVA, A SUV QUE muito CATIVA ! Baita máquina !

CAPTIVA, A SUV QUE MUITO CATIVA ! Sem exagero,
A CONVITE DO DIÁRIO DO GRANDE ABC PARTICIPEI COMO AVALIADOR DESSE VEÍCULO, BELA MÁQUINA !!! ME SURPREENDEU POSITIVAMENTE E MUITO !!! DEMAIS !
Publicado em quarta-feira, 24 de julho de 2013 às 18:00

Captiva ainda agrada as mais variadas gerações

Vagner Aquino

Do Diário do Grande ABC

 Ele é alvo de comentários em reuniões entre executivos, mas também é citado em músicas de funk. Enfeita garagens de prédios situados nos bairros mais nobres do País, e, ao mesmo tempo, passeia pelas ruas da periferia. Ao volante, desde garotos de 18 ou 19 anos que acabaram de conquistar aCNH (Carteira Nacional de Habilitação) até homens maduros, que já tiveram vários outros veículos e não abrem mão de um modelo confortável, bonito e funcional. Sim, estamos falando do Chevrolet Captiva.

Foi observando esses detalhes que surgiu a ideia da pauta, afinal, queríamos fugir da avaliação simples do carro – lançado em 2008 e que, até agora, não passou por mudanças significativas. Na versão atual (2013), alguns detalhes são novos, como os retrovisores externos com desembaçador, sensor de estacionamento traseiro e a opção do tom vermelho para a carroceria.

Mas, será que o Chevrolet Captiva ainda agrada às mais diversas gerações? Sim! Foi o que pudemos constatar ao longo dessa reportagem. Aliás, desde o momento do convite, os personagens se prontificaram, de imediato, a participar. Reflexo de que o modelo salta aos olhos de júniors e sêniors.

CURRÍCULO

À direita (na foto acima), o administrador de sistemas Guilherme Brancallião, 19 anos. O jovem possui um Volkswagen Fox com câmbio automatizado I-Motion. Do outro lado, o consultor Eustaquio Sirolli, que tem na garagem um Chevrolet Cruze LT com transmissão automática. “Quando cheguei à concessionária minha intenção era, mesmo, comprar um Captiva, pois admiro o utilitário desde seu lançamento. Costumo fazer o trocadilho: Captiva, cativa”, brinca.

Já Guilherme conheceu o grandalhão da GM afundo há cerca de dois anos, por intermédio de um amigo que havia comprado e o chamou para dar uma volta. “A partir daí, não paro de pensar no carro. Se fosse um pouco mais barato seria perfeito para mim”, afirma o jovem sobre o salgado preço de R$ 106.190 cobrados pelo modelo Sport AWD.

UMA VOLTINHA

Hora de colocar os caras para andar. O teste começa nas principais avenidas de Santo André. Ao volante, Sirolli solta logo de cara, “O carro é totalmente confortável, macio. O que mais me surpreende é a progressividade do freio. Não esperava! Pensei que fosse mais abrupto, mas, pelo contrário, é extremamente preciso para um veículo tão pesado (são 1.872 quilos).”

Porém, em meio ao trânsito, o aposentado assume que não teria um carro desses devido ao tamanho. “Apesar da excelente performance, do ótimo conjunto mecânico e da elasticidade, usá-lo diariamente não seria tão prático.”

Depois de alguns quilômetros de estrada (já em Paranapiacaba), hora de fuçar cada detalhe do Captiva. Olhando o veículo por fora, Guilherme exclama, “O design do carro é show de bola!” Ao verificar o motor 3.0 V6 a gasolina de 268 cv de potência máxima a 6.950 rpm, sua mão vai ao queixo e o silêncio impera.

Por dentro, ambos aprovam o modelo da Chevrolet desde o acabamento até o espaço do banco traseiro – fruto de um entre-eixos de 2,71 metros. Os mesmos elogios foram feitos ao espaço do porta-malas, que carrega 383 litros e pode chegar a 1.189 litros com os bancos rebatidos.

Quando assume a direção, o jovem logo comenta a boa visibilidade proporcionada pelo modelo – que tem 1,70 metro de altura. Com o pé um pouco mais fundo no acelerador (estamos numa velocidade superior a 100 km/h), ele enfatiza. “O torque (de 30 mkgf a 5.100 rpm) é muito bom e deixa alguns modelos da concorrência, que já dirigi, literalmente para trás.”

Sobre o câmbio automático de seis velocidades, ele comenta que “não poderia ser melhor, desde o escalonamento até a opção de trocas sequenciais.” Em relação à suspensão, ambos concordam que o conjunto pende para o lado do conforto, longe das batidas secas e, ao mesmo tempo, sem ser molenga.

Mas e as críticas? “O único defeito que posso apontar é a iluminação do painel. À noite acredito que esse tom verde me daria sono”, afirma Guilherme. Fica a dica para que a GM englobe a iluminação Ice Blue também ao Captiva – tecnologia já encontrada em outros modelos da marca.

“O que menos gosto é que o carro não é meu!”, brinca Sirolli quando questionado sobre os contras do modelo. “Mas, agora, falando sério, senti falta do sistema de navegação GPS como equipamento de série. É imprescindível num veículo dessa categoria, visto que concorrentes e até mesmo automóveis mais baratos (como o Peugeot 208 e o próprio Chevrolet Cruze) já saem de fábrica com o item nas versões mais caras. Mas de resto, é um carrão, superou as expectativas.”

Click here

Anúncios

Uma resposta para “CAPTIVA, A SUV QUE muito CATIVA ! Baita máquina !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s